conto "viagem a africa do sul"

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

conto "viagem a africa do sul"

Mensagem  Admin em Sab Set 29, 2012 5:19 pm


Quero contar-lhes uma história que certamente vai agradar a todos pelo que
tem de incomum. Tudo começou quando marcamos, eu e meu marido, uma viagem à
África do Sul. Como um casal de amigos nossos havia voltado recentemente
daquele país, convidamo-los para jantar e nos contar suas experiências por
lá. Eles trouxeram muitas fotos e um vídeo para nos mostrar. Minha amiga M.
me recomendou que prestasse atenção no negro que iria aparecer dali a pouco
no vídeo. Logo surgiu na telinha um negro enorme e ela me contou que se
tratava de um belo exemplar da tribo Watusi. Sem dúvida alguma, aquele era
um povo privilegiado, não só na altura e no porte como também pela beleza
de seus homens e mulheres. Quando o vídeo acabou, M., a pretexto de dar
uma espiada no guarda-roupa que eu levaria na viagem, subiu até o meu
quarto para me contar a história do Watusi. Seu marido, segundo contou,
queria vê-la sendo possuída por um negro superdotado. Um dos motivos da
viagem havia sido realizar esta fantasia. Eu fiquei constrangida com o que
ela me dizia. Jamais imaginava que eles pudessem fazer algo assim. E ela me
contou tudo, nos mínimos detalhes. Tudo aquilo me deixou impressionada e -
por que não reconhecer? – curiosa e excitada. M. falava e eu ia ficando
molhadinha, com um calor que involuntariamente tomava conta do meu sexo. Eu
mesma não entendi o porquê da minha reação, porque até então só havia
desejado meu próprio marido. Nunca olhara para outro homem. Possivelmente
havia sido algo em função da história que ouvira. Possivelmente... Na
véspera de nossa partida, M. me trouxe um envelope dizendo conter todas as
informações se, por acaso, eu quisesse conhecer o tal negro. E, se o
fizesse, para dizer-lhe que ela não o tinha esquecido - e mais, que isso
jamais aconteceria pelo resto de sua vida! Eu lhe disse que não queria
fazer aquilo. Ela insistiu que eu levasse, por via das dúvidas... Uma vez
lá, era bem provável que eu mudasse de opinião e me arrependesse. Diante da
insistência, e para deixá-la tranqüila, peguei o envelope com mãos trêmulas
e guardei. No avião, abri o envelope e encontrei uma foto do Watusi e todas
as instruções de como encontrá-lo, além de uma foto da minha amiga dedicada
a ele. Senti que algo me empurrava para aquele encontro. Por mais que
quisesse afastar tal pensamento de minha cabeça, ele ia tomando conta de
minhas vontades e aumentando a minha curiosidade. Um dos programas de
nossa excursão marcava para o dia seguinte a uma visita a uma das reservas.
Disse a meu marido que preferia não ir, mas ficar descansando para depois
fazer umas compras. Tive de insistir para que fosse sem mim e com isso
teria umas 15 horas de liberdade. Tão logo ele saiu, procurei um guia que
me levasse até o povo Watusi. Tinha finalmente me decidido a encontrar
Lao-to, o negro. Fiquei espantada com o preço que ele me cobrava e com o
tempo que gastaria: quatro horas para ir e outras tanto para voltar. Quase
desisti. Mas a curiosidade falou mais alto e me convenci de que me
arrependeria para o resto da vida se não fosse conhecer Lao-to. Em menos de
meia-hora já estava no jipe rumo a seu encontro.É indescritível o suplício
daquela viagem. O caminho - se é que se pode chamar aquilo de caminho - era
péssimo e o veículo absolutamente desconfortável. Antes da metade da viagem
já me recriminava da decisão insensata. Mas era tarde e o jeito foi me
conformar e seguir em frente. Horas depois, felizmente chegamos àquele povo
que vivia encravado na floresta. Minha primeira impressão foi maravilhosa.
Fui muito bem sucedida e aquela gente era na verdade ainda mais alta e bela
do que no vídeo. A grande maioria deles falava o inglês e assim não tive
problemas para me comunicar e menos ainda para localizar Lao-to. Uma das
belas mulheres me olhou, sorriu e perguntou por que euqueria conhecer
Lao-to. Expliquei-lhe que trazia um recado de uma amiga para ele e
Mostrei-lhe a foto de M. Ela a reconheceu e foi logo comentando
maliciosamente: “Você também quer conhecer o nosso To-tem. Ele gosta muito
de européias como você. Venha comigo, veremos se ele está disponível.”
Segui-a até dentro de uma das tendas e finalmente vi o famoso Lao-to,
deitado numa esteira ao lado de duas mulheres que o acariciavam. Ao me ver,
ele as afastou e veio todo sorridente ao meu encontro. Fiquei completamente
paralisada. Alguns segundos depois, passei-lhe a foto de M., já que não
sabia o que fazer. Dei-lhe e ele exclamou: “Bela, belíssima mulher!” E
tratou de colocar suas mãos imensas sobre meus seios, apertando-os e
sorrindo: “Você é muito mais bela que ela e será minha agora.” E, juntando
a ação à palavra, arrancou-me a blusa. Suas amigas vieram ajudá-lo e em
instantes, antes que pudesse sequer esboçar uma reação, eu estava nua.
Completamente nua! Suas mãos percorreram meu corpo e um de seus dedos
penetrou fundo na minha vagina. Em seguida, ele retirou-o, levou ao nariz,
depois à boca e o chupou, gulosamente. As mulheres riram. Entendi que se
tratava de um sinal de aprovação, já que me arrastaram até uma estranha
cadeira e, só depois de estar acomodada, me dei conta de que era uma
espécie de cadeira de sacrifício! Uma das mulheres despejou sobre meu
corpo um líquido viscoso, parecido com mel, só que roxo e com cheiro de
erva-doce, e me lambuzou toda. Sentia-me imobilizada e, pior, completamente
escancarada. Minhas pernas estavam presas e ao mesmo tempo abertas ao
máximo. Elas me lambuzaram até dentro da vagina, o que me fez sentir um
calor imenso. Aquilo fazia parte do ritual, uma vez que o líquido foi
recolhido numa bacia, transferido para outro recipiente e oferecido para
Lao-to, que o provou através de um grosso e imenso canudo de bambu.

Ele o provou e, pelo visto, aprovou, pois escondeu em seguida debaixo de
sua túnica. Poucos instantes depois, ele disse algumas palavras no seu
idioma e uma das mulheres tirou a túnica de Lao-to, me deixando ver o bambu
que lhe vestia o sexo. As mulheres intensificaram as massagens com aquela
substância roxa no meu sexo e me deram para cheirar a coisa mais feia e
forte que jamais havia provado, e despejaram o resto do mel dentro do bambu
de Lao-to. Seu rosto e respiração começaram a se transformar, enquanto as
mulheres cantavam e falavam coisas que eu não entendia. Uma ordem repentina
dele restabeleceu o silêncio dentro da cabana. Ele então começou a retirar
o bambu e fez ir aparecendo uma verdadeira cobra coberta pelo mel roxo. Uma
das mulheres pegou o bambu e terminou de baixá-lo. Aquilo seguia e não
parava mais de sair de dentro da forma. Até que finalmente ficou livre e se
aproximou de mim balançando o membro indescritível. Pousou-o sobre meus
seios e, depois de lambuzá-los bem, desceu até minhas coxas,
posicionando-se sobre minhas pernas abertas. As duas mulheres pegaram seu
membro cavalar e começaram a roçá-lo contra minha vulva. Fui por um longo
tempo açoitada por aquele tronco. Outra ordem dele e elas recomeçaram a
melar minha vulva com aquele líquido viscoso. Em seguida posicionaram a
cabeçorra do membro bem na porta da minha vagina. Lao-to segurou o corpo do
pau com as mãos e deu um grito grave e prolongado, antes de esconder parte
de seu colossal membro dentro de minha vagina. A impressão foi muito mais
forte do que a dor que eu senti. Não podia imaginar que tinha agasalhado
mais da metade daquilo dentro de mim. A dor que eu deveria estar sentindo
era seguramente maior do que a que eu estava realmente suportando. Sem
dúvida devia ser o efeito daquele estranho mel. Havia muito mais prazer do
que dor naquele instante. A cada estocada, minha vagina deixava escapar
jorros de mel. Minhas entranhas eram empurradas para dentro, meu útero era
agredido, mas não havia dor, apenas uma sensação de entupimento e um prazer
alucinante. Quando Lao-to tirou uma das mãos de seu pau, eu já tinha mais
de 20cm dentro de mim e outros tantos do lado de fora. O prazer que
experimentava não era deste mundo. Gozei e gritei durante meus orgasmos
feito uma louca. Lao-to sorria e me enfiava cada vez mais forte.Pousou as
mãos sobre meus seios e apertou-os com fúria quando senti jorrar seu leite
lá dentro. Jamais experimentei tamanha quantidade de esperma me inundando
por dentro. Quando finalmente começou a sair de dentro de mim, não sei como
tinha forças para me manter lúcida. Ele ia tirando aquela monstruosidade e
eu continuava me acabando. Quando o encostou no meu rosto, eu o beijei,
lambi, mordi como uma possessa e terminei por chorar histericamente. Neste
instante, descobri por que M. Não havia esquecido aquele homem e sua
experiência com ele. Quem poderia esquecer um falo de 34,9cm?

Antes de sair daquela cadeira, as duas mulheres tornaram a se aproximar de
mim e me fizeram objeto de um novo ritual. Pegaram uma folha, enrolaram-na
como um charuto e a introduziram na minha vagina. Depois colocaram outra
como um absorvente, dobrada em duas, e me vestiram uma calcinha. Disseram
que tinha de ficar com aquilo por doze horas ou sofreria as conseqüencias
do taca-luei. Meu tempo se esgotava. Tinha de ir embora e disse isso a
Lao-to, acrescentando que um dia ainda tornaria a vê-lo. Quando cheguei de
volta ao hotel, fazia poucos minutos que meu marido havia voltado. Ele
parecia excitado e me contou que eu tinha perdido um passeio maravilhoso,
que havia sido uma pena não ter ido e que, quando visse os filmes, me
arrependeria de verdade. Coitado, se ele soubesse que havia acabado de
fazer o maior passeio da minha vida. Jamais seria capaz de trocar Lao-to
por uma excursão programada. Divagava sozinha quando de repente gelei.
Lembrei-me que ainda estava com as folhas e o sêmen do negro dentro da
minha vagina. Fui correndo ao banheiro e, quando arriei a calcinha, me
lembrei do tal taca-luei. Não sabia o que era mas temi que alguma coisa
acontecesse e voltei a vestir a calcinha. O curioso é que sequer tinha
vontade de urinar. Por sorte, meu marido estava bastante cansado e dormiu
assim que encostou a cabeça no travesseiro. Passei a noite inteira acordada
e, quando as doze horas se completaram, despi a calcinha e tirei a folha de
fora. Quando tentei tirar o “charuto”, quase desmaio: ele não estava lá.
Tateei com o dedo, e nada. Tinha se dissolvido lá dentro. Apenas o cheiro
forte do sêmen de Lao-to invadia minhas narinas. Não pude me controlar e me
masturbei furiosamente. Quando estava a ponto de gozar, meu marido acordou
e estranhou meu comportamento. Quis me ajudar e se apressou em me cobrir.
Aquele cheiro forte não lhe passou despercebido. Perguntou o que era.
Respondi-lhe que talvez estivesse menstruando, que ele saísse pois iria ao
banheiro. Tomei um banho e terminai o que ele havia inte rrompido. Quando
voltei para cama, meu marido roncava como um anjo.

_________________
aiaizinho_69
avatar
Admin
Admin

Mensagens : 400
Data de inscrição : 12/10/2007
Idade : 36
Localização : portugal

Ver perfil do usuário http://aiaizinho.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum